Uso de ações de marketing para aumentar a receita de vinho

A divulgação é a alma do negócio, certo? Quando falamos do mercado de vinhos, investir em ações de marketing no ponto de venda pode fazer toda a diferença para incentivar compras e impedir com que alguns rótulos fiquem parados nas prateleiras.

Além disso, pesquisas revelam que 85% dos brasileiros decidem as compras apenas quando estão na loja ou mercado. Ou seja, você pode estar perdendo oportunidades valiosas na venda de vinhos!

Quer conhecer algumas dicas para apostar nas frentes certas de divulgação e, assim, vender mais? Então, não deixe de ler o nosso artigo!

Por que o PDV é tão importante

Como se o fato de que a grande maioria dos clientes decide o que vai comprar no PDV não fosse suficiente, saiba que a organização, iluminação e comunicação da sua loja interferem diretamente nas vendas.

Pare para pensar por um minuto em como locais escuros e com aparência velha e suja tendem a nos deixar desconfortáveis e você começará a entender a importância de prestar mais atenção ao interior da sua loja.

Além disso, o conjunto de estímulos proporcionados pelos elementos da loja pode incentivar o cliente a entrar, a ficar por mais tempo e, inclusive, a comprar produtos por impulso. Uma excelente maneira de aumentar a venda de vinhos!

Marketing para vinhos: Dicas para vender mais no PDV

Como usar as estratégias de marketing certas no ponto de vendas para incentivar o consumo de vinhos, então?

O coordenador do curso Wine Business da FGV, Valdiney Ferreira, e autor do livro “Vinhos do Brasil: do passado para o futuro”, dá algumas dicas valiosas nesse sentido.

O primeiro passo é saber o que você deseja vender“, diz Valdiney. Isso implica em tomar cuidado com o excesso de oferta e organizar a loja de maneira coerente.

Na maioria das vezes, disponibilizar muitos rótulos fará com que o cliente se sinta confuso e sobrecarregado. O resultado é que haverá muito mais desistências de compra do que incentivo, justamente pela variedade ser muito extensa e confusa.

Valdiney recomenda: “a dica é ter uma boa distribuição dos vinhos pela loja. É possível organizar os rótulos por países, por exemplo, e criar subcategorias por tipo de vinhos.”

Outra atitude que faz toda a diferença para vender mais vinhos é contar com a presença de um sommellier para orientar os clientes com as harmonizações, recomendar rótulos e, inclusive, ajudar na organização da loja.

Opte por uma organização que intercale rótulos deitados e em pé para dar movimento na loja e facilitar a visibilidade dos mesmos“, diz Valdiney.

Quer mais uma dica para incentivar a compra por impulso?

Crie kits com vinhos e queijos, pães ou frios e disponibilize-as em dias próximos ao final de semana, feriados e datas comemorativas. “Essa é uma excelente opção para vender rápido e em volume“, recomenda Valdiney.

Preste atenção aos detalhes

Além das dicas que demos acima, não deixe de analisar a sua loja com um olhar crítico. Será que o ambiente realmente está refletindo os diferenciais e a identidade da marca?

Manter o ambiente limpo, organizado, bem iluminado e, inclusive, com um aroma e som ambiente agradáveis faz toda a diferença para ajudar na venda de vinhos.

Lembre-se de que o cliente deve usufruir de uma experiência inesquecível para efetivar a compra e voltar mais vezes.

Que tal começar a aplicar essas dicas de marketing na sua loja o quanto antes? Se gostou destas dicas, compartilhe em suas redes sociais!

Vale a pena fechar seu estabelecimento para realização de reuniões e eventos?

O fim de ano está chegando e, com ele, o aumento da procura de estabelecimentos para a realização de reuniões e eventos comemorativos. Essa pode ser uma excelente oportunidade para movimentar o espaço em dias de menor procura e, inclusive, incentivar o consumo de vinhos.

Mas como se preparar para esse tipo de abordagem? Será que realmente vale a pena fechar o restaurante por uma tarde ou noite para receber esse público?

Vale a pena?

Ao mesmo tempo em que dedicar o espaço do estabelecimento para eventos fechados pode ser uma excelente estratégia para não deixar o lugar vazio, é preciso tomar muito cuidado para não acabar perdendo faturamento ou decepcionando os clientes habituais.

Fechar o estabelecimento para um evento, principalmente em dias de movimento (como sexta-feira e sábado), é ruim porque o cliente fiel se decepciona por não poder ser atendido. Então, a remuneração precisaria valer muito a pena, para compensar o fechamento do restaurante“, diz Daniel Dutra de Carvalho, restaurateur do Le Bou Bistrô.

É preciso, então, selecionar as datas para esse tipo de evento com cautela. Dedique os dias em que o movimento é menor e, de preferência, apenas um dos períodos de funcionamento.

Uma excelente alternativa para conseguir conciliar tanto as reuniões fechadas quanto a clientela normal, é dedicar uma área do estabelecimento apenas aos eventos.

Na Mercearia do Conde, assim como em outros diversos estabelecimentos, essa foi a opção que mais se adequou às duas necessidades. “Aqui na Mercearia temos uma saleta anexa ao salão principal, que também conta com uma entrada exclusiva, onde realizamos eventos sociais e corporativos. Assim, podemos atender simultaneamente nossos clientes e convidados dos eventos. O espaço pode ser adaptado e decorado de acordo com a ocasião“, conta Maddalena Stasi, restauratrice do estabelecimento.

Como incentivar o consumo de vinhos para reuniões

Antes de tudo, é importante definir se haverá um espaço dedicado às reuniões e eventos ou se o estabelecimento como um todo será fechado para essa finalidade.

No primeiro caso, vale a pena investir em uma entrada separada e em um ambiente diferenciado. Além disso, a estrutura do local deve ser pensada a atender os mais variados tipos de eventos, que vão desde aniversários, cerimônias até workshops.

Para oferecer esse tipo de serviço, é necessário ter um menu fechado, específico e diferenciado para eventos, com orçamento, e um local adequado para receber as pessoas, com infraestrutura como microfone, som e telão, que são necessários tanto em festas como em reuniões, por exemplo“, recomenda Daniel.

Mesmo com esse espaço dedicado, também é fundamental pensar em maneiras de uma atividade não interferir na outra. Ou seja, as pessoas que reservaram o espaço para o evento fechado, não devem se sentir “invadidas” pelos clientes habituais. Ao mesmo tempo, os clientes precisam estar à vontade para desfrutarem de suas refeições.

Outro ponto muito importante aqui é a divulgação do serviço. Afinal, as pessoas precisam saber que o estabelecimento também oferece essa opção e entender os diferenciais em celebrar uma ocasião ou realizar uma reunião em um local diferente. Daniel, restaurateur do Le Bou Bistrô, recomenda a divulgação ativa nas mídias sociais.

Essa ainda é uma excelente oportunidade para elaborar uma carta de vinhos para reuniões e os demais eventos. Pode ser criado um clima descontraído para que as pessoas se sintam à vontade em consumir a bebida entre amigos ou colegas de trabalhos.

Como cobrar por essa opção?

A grande questão que fica, provavelmente, está relacionada a forma de cobrança por esse tipo de vinhos para reuniões e demais itens do menu. Para ajudá-lo nessa questão, nada melhor do que quem já atua com essa abordagem dando dicas:

Para calcular os preços, nós temos as fichas técnicas dos pratos. Pelo número de pessoas, podemos saber o valor individualizado e também podemos calcular descontos se o número de pessoas for grande. Como o pagamento é antecipado e a reserva garantida com número de pessoas, facilita para trabalhar com descontos no menu“, conta Daniel.

A recomendação é criar um cardápio compatível com os preços praticados na casa, mas levando em conta, também, os extras da equipe que vai atender exclusivamente o evento.

O menu pode ser em sistema volante ou com bocaditos (versões pequeninas das tradicionais entradas da casa), mais prático para eventos menores e informais como coquetéis, aniversários e happy hours; ou no sistema à francesa (em que os garçons servem os convidados na mesa), mais formal, em caso de encontros corporativos, batizados, bodas ou miniweddings“, complementa Maddalena Stasi, restauratrice da Mercearia do Conde.

O mais importante, no entanto, é você pensar em praticidade, exclusividade e, claro, lucratividade quando o assunto é fechar o estabelecimento para eventos. Ofereça uma boa infraestrutura para esse tipo de serviço, mas sem deixar jamais de considerar a boa experiência dos clientes habituais!

Gostou desta ideia? Compartilhe-a com seus colegas, donos de estabelecimentos!