Tendências

Por que é complicado defender o vinho brasileiro ante a demanda pelo produto internacional?

Por que é complicado defender o vinho brasileiro ante a demanda pelo produto internacional?

Produtores norte-americanos de vinho, do Vale de Napa na Califórnia, apontam que espumantes brasileiros são muito bons e que têm potencial para se tornarem tendência de consumo. Recentemente 22 vinhos e espumantes brasileiros foram premiados com medalhas de ouro e prata em concursos da Europa. Por que então é complicado vender a bebida produzida no País para brasileiros?

Para o gerente de promoção do Ibravin (Instituto Brasileiro do Vinho) Diego Bertolini, falta, de maneira geral, um trabalho de posicionamento da marca e imagem e confiança nos produtos brasileiros. O primeiro item leva mais tempo para ser resolvido e pode ser solucionado com empresas especializadas. Para a segunda dificuldade o Instituto desenvolveu junto com o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) o programa “Qualidade na Taça”, para qualificar três mil profissionais de 800 bares e restaurantes sobre o vinho brasileiro até agosto de 2016. A meta está perto de ser ultrapassada.

Até abril deste ano, o curso foi realizado em 14 cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso, Bahia, Goiás, Ceará e Amazonas. E na região deste último estado que há um desafio ao share do vinho brasileiro: logística e distribuição. “Se organizarmos um grupo de 700 vinícolas, talvez cinco distribuam no Norte do Brasil”, calcula Bertolini.

Para mostrar ao público que a percepção sobre a qualidade do vinho brasileiro estava equivocada, O Ibravin organizou um teste cego com bebidas do País custando até R$25,00, em que 80% dos participantes errou a origem dos vinhos, ao achar que eles vinham de fora. Essa surpresa ajuda a mudar a percepção sobre as características da bebida.

Taça meio cheia

O Brasil passa por crescimento da cultura do consumo do vinho. Entre 2008 e 2015, o volume de comercialização de vinhos finos e espumantes aumentou 46%. Esse incremento também foi percebido, no mesmo período, em market share: o vinho cresceu 20% e os espumantes 80%. Segundo Bertolini, o País atingiu maturidade de mercado em relação aos vinhos finos e espumantes: a participação desses produtos brasileiros é de 80%.

Devido à relação custo/benefício dos espumantes brasileiros, buffets e organizadores de festas têm indicado essas bebidas para seus clientes. Outro movimento interessante percebido pelo mercado é o aumento da procura por vinhos brasileiros em restaurantes do Rio de Janeiro (RJ), pois turistas buscavam pelo produto e agora consumidores locais têm se interessados pela bebida. Essa curiosidade nacional também se acentuou depois de que duas novelas da Rede Globo, Amores Roubados, 2014, e Além da Vida, 2016, tinham vinícolas como cenários.

tag sommelier de sucesso