Gestão

Que tal exportar vinhos para os Estados Unidos? Especialista dá dicas

Apenas nos últimos 10 anos, a exportação de vinho para os Estados Unidos aumentou 13%,  um relevante dado que fez com que mais empreendedores buscassem a sua parte na “degustação” desse destino em crescente aceitação do vinho brasileiro.

E o retorno tem sido positivo: o mercado norte-americano passou a comprar mais, em um total de US$ 830,7 mil investidos, que se traduzem em 280,6 mil litros exportados.

Agora, para você que ainda estava analisando as condições ideias para investir na exportação de vinhos para os Estados Unidos, abaixo vamos ajudá-lo a se nortear e enxergar algumas oportunidades de negócio. Confira!

A relevância do mercado norte-americano na exportação de vinho

A exportação para os Estados Unidos tem se mostrado uma grande alternativa para ampliar o alcance das produtoras nacionais, já que o país ostenta a vice-liderança quando falamos na apreciação dos vinhos brasileiros.

Isso inclui não apenas rótulos de vinho tinto ou branco, mas de espumantes também – cerca de 17% do total de exportações, mas com um significativo aumento de 54,3% com relação ao ano anterior.

De acordo com Laura Torres, assistente de importação e exportação na IBSolutions, “o tipo de vinho brasileiro mais procurado nos Estados Unidos é o vinho tinto, de classificação fiscal 2204.21.00. E os tipos de uva preferidos são: chardonnay, cabernetsauvignon, merlot, pinotnoir e pinotgrigio.” Mas o interesse esbarra no conhecimento: como, afinal, fazer a exportação de vinho para os Estados Unidos?

O caminho para realizar a exportação de vinho para os Estados Unidos

Laura Torres já alerta, de antemão, o percurso a ser trilhado até que os seus rótulos cheguem às prateleiras da terra do Tio Sam.

“A exportação de bebidas alcoólicas para os Estados Unidos não pode ser realizada diretamente para o consumidor final. Assim, é necessário o contato com um importador, que revenderá para os distribuidores e, na sequência, realizará a venda para os mercados e lojas de bebida. Para isso, é necessário, de acordo com o Federal Alcohol Administration Act (FAA Act), que o importador local possua licença de importação (Federal Basic Importer’s Permit) e que o exportador esteja cadastrado junto ao FDA”.

Laura também destaca a exigência do governo norte-americano pelo aviso prévio de importação (Prior Notice of Importerd Foods) junto ao FDA, e do Certificado de Aprovação de Rótulo (Certificate of Label Approval – COLA) para cada vinho que será comercializado.

Por último, a especialista ressalta a necessidade da certificação de vinho natural (para os produtos produzidos após 2004) e do certificado de idade e origem do produto.

Quer um detalhe ainda mais curioso?

“Além de observar a legislação federal norte-americana, é preciso estar por dentro da legislação estadual. Nos Estados Unidos, alguns estados apresentam restrições sobre a venda de bebidas alcoólicas (Control States), são eles: Idaho, Iowa, Maine, Mississippi, Montana, Utah, Vermont, Virginia, Wyoming, Alabama, Michigan, Maryland’s Montgomery County, New Hampshire, North Carolina, Ohio, Oregon, Pennsylvania, West Virginia”.

Os estados citados monopolizam a venda de bebidas, o que pode ser um desafio e tanto para o produtor levar os seus rótulos até essas regiões do país.

E quais são os requisitos de exportação para a legislação brasileira?

Além de se atentar às condições mercadológicas do lado de lá de nossas fronteiras, Laura Torres nos aponta as necessidades impostas pela nossa própria legislação.

“A importação e exportação de vinho é regulada pelo decreto nº 8.198, de 20 de fevereiro de 2014. Sobre esse decreto vale destacar que os estabelecimentos produtores devem estar registrados junto ao MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento). No que diz respeito a rotulagem dos produtos para exportação é permitida a elaboração e denominação de acordo com a legislação, usos e costumes do país a que se destinam, sendo proibida a comercialização no mercado interno. Além disso, é proibida e constitui infração a produção e exportação de vinhos e derivados da uva sem o registro junto ao MAPA ou com o registro suspenso”.

Quer saber mais sobre exportação de vinho ou sobre a indústria em geral? Não deixe de conferir as novidades de nosso canal de conteúdo e, também, aproveite para saber mais a respeito da indústria do vinho!