Gestão

Você sabe qual a melhor uva para vinho brasileiro?

A publicidade brasileira enriqueceu, ao longo dos anos, algumas características da cerveja a ponto de transformá-la em uma das paixões nacionais. Acontece que a bebida fermentada nunca foi a única predileção do consumidor que se deixa fisgar pelo paladar. Afinal, o vinho tem tradição forte em nossas terras, com ampla variedade e um apreço cada vez maior do público.

Prova disso é a expansão de produtores ao redor do País, fugindo do tradicional circuito na região Sul. E, para mostrar o quanto isso está a cada dia mais evidente, este artigo vai tratar um pouquinho a respeito da uva para vinho brasileiro e como ela se diferencia em cada região. Acompanhe!

O gradativo desenvolvimento do mercado ajudou a fazer com que novas regiões fossem exploradas, processos experimentados e novos rótulos criados. Mas, sem dúvidas, existe um aspecto bastante característico quando pensamos em uva para vinhos brasileiros:

“O Brasil é emblemático por seus espumantes, principalmente, mas é errado julgar ou pressupor que somos um país exclusivamente produtor de espumante — apesar de nossos melhores e mais famosos exemplares serem desse estilo”, avalia André Santos, representante comercial na importadora Devinum.

Para Santos, a popularização dos vinhos em terras tupiniquins tem sido determinante para um horizonte ainda mais diferenciado no mercado de vinhos: “Acho que hoje, no Brasil, temos uma variedade muito boa de estilo de vinhos e cepas… E cada região vem pegando de certa forma uma cepa emblemática e trabalhando-a”.

As regiões onde diferentes tipos de uvas se destacam no País

O aspecto geográfico é um ponto interessante, pois é um dos principais fatores que tem gerado regiões com algumas especialidades e características. E Santos aponta onde alguns tipos de uva para vinho brasileiro têm se destacado:

“No Rio Grande do Sul, tratando apenas de vinho tinto, já que estamos no inverno agora, podemos destacar a Serra Gaúcha, que é produtora de diversos tipos, como Cabernet Sauvignon, Merlot e Cabernet Franc, entre outros. Trata-se de uma região bem eclética, onde encontramos variedades ainda mais diferenciadas, como: Barbara, Sangiovese, Nebbiolo …”, revela Santos, que ainda destaca a proximidade com os hermanos uruguaios para usufruirmos de rótulos diferenciados de Tannat.

Dando sequência ao giro pelo País, passando pelo Paraná (onde o representante comercial afirma existirem boas opções locais) e, assim, saindo do tradicional eixo Sul, Santos aponta outras regiões de grande destaque no mercado de vinhos:

Provei um syrah e alguns vinhos brancos de uma vinícola chamada Guaspari, que fica em Espírito Santo dos Pinhais, em São Paulo, e que estão sensacionais. Além disso, subindo um pouco, já encontramos também muitos vinhos no Estado do Espírito Santo, com bons exemplares de brancos e rosados”, recomenda o representante comercial, que faz um arco também com as margens do Rio São Francisco:

“Por ali temos a Miolo, que há muitos anos faz um grande trabalho, em que eu destacaria a cepa Syrah de lá, também, além da tradicional e rainha das uvas: a Cabernet Sauvignon”.

Existem características específicas para os diferentes tipos de uva para vinho brasileiro?

Nesse aspecto, Santos coloca na balança a diversidade que se cultiva no País, bem como a especialização dos produtores cada vez mais qualificada para conquistar o consumidor interno. Mas, ao avaliar as características peculiares dos diferentes tipos de uva para vinho brasileiro, ele prefere destacar justamente a expertise desses produtores espalhados de Norte a Sul do Brasil:

“Cada cepa tem empregada, em seu DNA, uma identidade própria, certo? Mas, além disso, devemos pesar as condições do ambiente onde ela é cultivada e também a mão do produtor, que tem muita influência sobre as cepas e todo o processo. Logo, seria incerto avaliar cepas específicas, como se pudéssemos encontrar as mesmas características em rótulos diferentes”.

Ou seja: a produção de vinho é uma arte que, com certeza, muda de mão em mão. E, para celebrar toda essa variedade, que tal conferir, agora, algumas dicas para oferecer vinhos brasileiros aos consumidores?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *